Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Uma carta para o meu catequista

por mafaoli, em 17.06.08

Ao “desfolhar” as páginas da Internet, dei de caras com esta carta.
Em tempo de avaliação e programação para o próximo ano, talvez seja bom ler e reflectir neste texto e não perder a oportunidade de o partilhar na reunião de avaliação da catequese.


“Eu tenho 12 anos, mas já sou capaz de pensar e exprimir. O recado que eu deixo, aqui, é directo para ti, meu catequista. Não te conheço bem, mas sinto, pelo teu jeito, que posso confiar em ti. Por isso o meu recado está recheado de boas intenções, mas, como é próprio de qualquer jovem adolescente da minha idade, também tem um pouco de ameaça.
Sou um adolescente imprevisível. Alguns chamam-me até de “aborrescente”. Sei que vais entender, lê com atenção este meu pedido. Não estou bem, ando meio confuso. Dizem que é normal acontecer isto na minha idade. Todos parecem saber tudo o que acontece na cabeça de alguém que tem 11, 12, 13 anos. Mas, ao mesmo tempo em que dão palpites e conselhos, também parecem não saber quase nada. Ninguém me ajuda e poucos me apoiam. Por isso, sei que posso confiar em ti, meu catequista. Este recado que te deixo pode servir para muitos outros jovens da minha idade e para muitos catequistas da tua idade. É um alerta que eu faço. Embora eu tenha pouca idade, leio bastante, domino a Internet e quando quero, escrevo bastante.Será que me podes ajudar?
Talvez não acredites muito em mim por causa do que falam a respeito dos que têm a minha idade. Mas quero ser directo, sem rodeios, para início de conversa. Pesquisando num site sobre a juventude de hoje, encontrei esta frase de São João Calábria que me serviu de inspiração para te enviar esta carta: “eu sou de quem me conquistar”. A frase é forte, não é? Então, continua a ler o que escrevo abaixo.

Se não me deres atenção, um pouco de carinho ou até mesmo um sorriso quando eu chego, posso ser conquistado pela desobediência e de não gostar de ti.
Eu sou de quem me conquistar.
Se não me ensinas a importância da oração e não rezas comigo, como saberei rezar? Se me dizes que Deus é vingativo, assustador e perverso, como poderei gostar dele?
Eu sou de quem me conquistar.
Se não me ensinas o respeito, se não me dá atenção e não dialogas comigo, se não te interessas pela minha vida, posso ser conquistado a qualquer momento pelo desamor, pela inconstância e pelo mundo. É desses sentimentos que me vou aproximar.
Eu sou de quem me conquistar.
Se não tiveres paciência com a minha inconstância, não andarei pelo caminho que tu me queres indicar. Teimosamente, seguirei um caminho oposto, pois é da minha índole ser assim. Sou jovem, muito jovem, adoro contrariar.
Eu sou de quem me conquistar.
Se te apresentas como meu catequista e não colocas em teus actos a alegria e se não sinto em ti vontade, ânimo e crença naquilo que fazes, não direi sim ao teu convite e como poderei, em ti confiar?
Eu sou de quem me conquistar.
Se te negas a apresentar-me um Deus atraente, alegre, justo, ético, continuarei tentado a aceitar outros convites. Se não insistes comigo, as drogas, as bebidas, o cigarro, a violência, o sexo fácil, a indiferença e o consumismo irão insistir. Se não me conquistas, serei, por certo, mais um a aumentar as estatísticas dos que se dizem “sem religião” .
Se reclamas de mim e te recusas a enfrentar os desafios que se apresentam para esta conquista, agirei de forma a te afrontar. E se não fores forte, resistente e confiante na tua missão, também tu desanimarás.
E sou de quem me conquistar.
Conquista-me. Para de reclamar. Aprofunda os teus conhecimentos, procura ajuda ao ajoelhar.
Eu rezo pouco, mas ouço de muitos adultos, assim como de ti, meu catequista, o quanto é importante rezar. Mas pelo menos tenta, aceita conquistar-me. Tu lidas com pessoas, não tens como fugir disso.
Por isso, tenta, insiste, prossigue nos teus desejos de conquista. Cause em mim uma boa impressão e lembra-te: não te darei uma segunda oportunidade de me causar uma primeira boa impressão.
Empenha-te por mim, é o que eu peço.
Eu valho a pena, preciso do teu ardor e da tua coragem.
Não sou tão terrível assim. Quando eu estiver distraído, olha para mim com amor e não com raiva. Quando eu não quiser rezar na hora em que tu pedes, tem compaixão comigo e não me transformes num vilão.
Se eu não fiz o trabalho que me pediste, pede de novo, insiste. Se não te abracei, abraça-me . Se meus pais não te procuram para conversar, procura-os. Eu preciso muito de alguém que mostre interesse por mim. Fala de mim aos meus pais. Talvez assim, eles percebam que eu existo.
Eu sou de quem me conquistar.
Não desistas de mim. Eu quero tanto aprender um pouco mais daquilo que tu te propões a ensinar. Basta para isso, que realmente me queiras conquistar.”
Assinado:
Um jovem catequizando


E se eu recebesse uma carta assim de um catequizando , qual seria a minha atitude?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:42


3 comentários

De mafaoli a 26.06.2008 às 16:44

Júlia (IP: 85.243.208.39) disse sobre Uma carta para o meu catequista na Terça-feira, 24 de Junho de 2008 às 11:09:


Olá.
Eu sou catequista do 7º ano, que agora termina, porque começaram as férias.
Os meus miúdos, como eu lhes chamo, têm todos idades entre os doze e treze anos. Sou catequista deles desde o 1º ano.
Vi-os crescer e tornarem-se mulherezinhas e homenzinhos.
Já tive alturas, em que pensei abandonar este serviço, mas depois, algo insiste comigo para que continue... para que ultrapasse certas diferenças e dificuldades que encontro na minha paróquia. Tem valido a pena.
Há um pormenor do qual me orgulho particularmente: é que os meus adolescentes, adoram o momento da oração. Momento esse em que desligamos as luzes, cerramos os reposteiros, acendemos a vela e tocamos um som muito suave na guitarra; isso acalma-os e predispõe à meditação.
Se por acaso, surge um dia em que não houve tempo para a oração, são eles que reclamam!!


Bem hajam pela publicação desta carta. Tb a irei partilhar com os meus colegas catequistas de adolescentes.

De mafaoli a 26.06.2008 às 16:46

mafaoli disse sobre Uma carta para o meu catequista na Terça-feira, 24 de Junho de 2008 às 14:22:

É muito importante o momento de oração. E da forma como é feito no vosso grupo é algo que vai ficar para toda a vida. Pois em catequese, o silêncio, a meditação e a oração são formas de fazer ecoar dentro de nós a Palavra de Deus.
Bem haja.

De ricardo a 17.07.2013 às 15:06

A vc que é catequista como eu. Ao ler esta carta entendi o meu chamado p/ esta missão tão especial o de levar Jesus a tantos corações que se encontram perdidos querendo ouvir eu te amo meu irmão.

Comentar post



se vai construindo a Igreja

Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Junho 2008

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930



Arquivo

  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2008
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2007
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D